Rio Grande

Patrimônio

Obra do telhado da Catedral de São Pedro avança

Por Assessoria , 18/04/2019, 16h21

A obra de restauro da cobertura da Catedral de São Pedro segue avançando e a expectativa é de que até junho esteja finalizada. A primeira igreja portuguesa no Rio Grande do Sul passa pela obra de recuperação do telhado e, segundo o engenheiro responsável, José Dinarte Farias Ibeiro, os trabalhos iniciados em março estão bem adiantados.

“Executamos o restauro em faixas de cerca de 1,20 metros, retirando as telhas, ripas e manta de cobre, para depois aplicar o imunizante”, explicou. Na sequência, o engenheiro informou que estão sendo colocadas as chapas galvanizadas, o que já garante a proteção da igreja em caso de alguma chuva ocasional. “Fazemos o trabalho por partes, para garantir que não ocorram surpresas, já que o tempo tem estado bastante instável nas últimas semanas”, salientou.

Com as chapas galvanizadas no lugar, o cronograma prevê a colocação de novas ripas de madeiras, que darão sustentação às telhas. “A última etapa será a instalação das telhas, que são amarradas com fios de cobre”, detalha. A equipe de restauração é formada por sete profissionais, que atuam diariamente no processo. A igreja permanece aberta para comunidade durante as obras e recebe em média 300 visitantes por dia, entre fiéis e turistas, já que é um dos mais importantes pontos turísticos da região.

Tamanho carinho e cuidado com o restauro tem motivo de sobra para existir. A matriz, construída em 1755, é um dos primeiros prédios com tombamento nacional do Brasil, junto com a Capela da Ordem Terceira de São Francisco. Na época tratava-se do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), com processo datado de maio de 1938.

De acordo com o padre Raphael Colvara Pinto, pároco da matriz, foi também o primeiro prédio em alvenaria na antiga vila do Rio Grande, ou seja, um elemento vivo da memória do Rio Grande do Sul. O projeto de restauro acontece via Lei Rouanet, com o aporte de R$ 420 mil através de patrocínio da Bianchini/SA, Termasa - Terminal Marítimo Luiz Fogliatto S/A e apoio dos Supermercados Guanabara. O projeto tem a assinatura da arquiteta Jane Borghetti, coordenado pela ATO Produção Cultural.

Foto: Divulgação/Satolep Press

Voltar Topo