Rio Grande

Balanço

Operação Verão do CBMRS termina sem o registro de mortes por afogamentos nas praias da região sul

Por Rodrigo de Aguiar , 15/03/2019, 12h33

No período de 14 de dezembro de 2018 a 10 de março deste ano, o Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul desenvolveu a segunda edição da chamada Operação Verão, quando os efetivos de guarda-vidas são ampliados no litoral em razão da temporada de veraneio. Aqui na zona sul, na área de competência do 3º Batalhão de Bombeiro Militar (BBM), nenhum óbito foi registrado na área coberta pelos profissionais.

De acordo com a major Cristiane Oliveira, esse resultado está atrelado à prevenção e a cultura dos veranistas, que respeitam as ordens dos guarda-vidas e observam a orientação das bandeiras que indicam as condições do mar. Durante esse período, foram realizados ao total 15.525 apitaços, 121 salvamentos e 6.491 ataques de águas vivas, nas praias do Cassino, Hermenegildo, Barra do Chuí, Mar Grosso, Laranjal e de São Lourenço do Sul.

Ao longo da temporada, foram registradas duas mortes por afogamento em Rio Grande, uma no Hermenegildo e duas em Pelotas, todas ocorridas em áreas consideradas impróprias para banho. Ontem, um homem morreu afogado em Pedro Osório, também em um ponto onde não havia cobertura da Operação Verão.

Mesmo com o final da operação, uma decisão do comando resolveu prolongar a permanência dos guarda-vidas nas praias do Cassino e Laranjal até o dia 31 deste mês. O efetivo militar foi desmobilizado e foram mantidos os profissionais civis que seguem atuando diariamente nas guaritas das 08h às 19h, com exceção das segundas e terças-feiras, em razão das folgas.

Aqui em Rio Grande, seguem em funcionamento as guaritas 04, nos molhes da Barra, 10, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18 e 20, localizada nas proximidades da Querência. Já em Pelotas, na praia do Laranjal, segue ativa a guarita nº 10. Para se ter uma ideia, na alta temporada foram empregados 54 militares e 23 civis na região, enquanto que na baixa temporada o número de militares é de três e o de civis é de 48.

Fotos: Rodrigo de Aguiar/Grupo Oceano

Voltar Topo