Polícia

Abuso

Médico condenado por crimes sexuais é preso em RG

Por Rodrigo de Aguiar , 03/07/2018, 16h28

Agentes da Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) prenderam na tarde desta terça-feira o médico D. B. S., condenado pela prática de crimes sexuais contra pacientes. Os casos teriam acontecido nos anos de 2006, 2013 e 2016, mas a decisão judicial que determinou sua prisão é recente e o mandado foi expedido no dia 28 de junho.

O profissional, de 68 anos, natural de Tubarão – SC, foi localizado pelos policiais em seu consultório particular, em um edifício comercial na Rua General Bacelar, no Calçadão. O homem foi condenado a quatro anos e três meses de prisão, com o início de cumprimento da pena no regime semiaberto.

Os casos que geraram o processo que culminou na condenação ocorreram nos meses de março e agosto de 2013. Em um deles, o médico, sob o pretexto de examinar os pulmões da vítima, teria segurado seu seio e se colocado atrás dela. No segundo episódio, ele pediu que a paciente ficasse de pé e logo após encostou seu corpo no dela, também segurando seu seio.

Em um terceiro boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil, a vítima relatou que ao procurar atendimento com dores abdominais, por suspeitar estar grávida, o médico solicitou que ela levantasse o vestido e a partir desse momento tirou sua calcinha e passou a tocar o órgão genital da paciente sem luvas. Ao final do episódio de abuso, ele ainda teria solicitado a ela um beijo.

Ainda segundo a polícia, o homem também atendia no Hospital Universitário da Furg, oportunidade em que teria acontecido pelo menos um dos casos relatados pelas vítimas. Por nota, a administração do HU confirmou que o médico atua na instituição como clínico geral, no serviço de Pronto Atendimento, no entanto a superintendência informou desconhecer o conteúdo das investigações e também não foi notificada a respeito dos fatos.

Depois de efetuado o registro na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), ele foi encaminhado à Penitenciária Estadual do Rio Grande.

Foto: Rodrigo de Aguiar/Grupo Oceano

 

Voltar Topo