Rio Grande

Preocupação

Defesa Civil emite alerta para ciclone que atingirá Rio Grande com ventos acima de 80 km/h

Por Guilherme Rajão , 30/06/2020, 18h54

A Defesa Civil de Rio Grande divulgou, na noite desta terça-feira (30), um alerta de um "ciclone bomba" que deve passar pela região nesta madrugada. Confira a nota na íntegra: 

"Mais uma preocupação para o município do Rio Grande e em boa parte do Sul do país. A Defesa Civil Municipal divulgou um alerta meteorológico, na tarde desta terça-feira (30), sobre a chegada de um “ciclone bomba”, fenômeno que ocorre quando uma zona de baixa pressão se forma muito rápida e, com isso, pode gerar ventos em torno de 100 km/h.

O secretário executivo municipal da Defesa Civil, Anderson Montiel diz que todas esquipes estão em alerta para a chegada do ciclone, que além de ventos fortes vem acompanhado de muita chuva. Para se comunicar com a Defesa Civil, em caso de emergência, as pessoas podem ligar para os números 199, 32338460 ou 991356312.

Mais cedo, várias informações chegaram da Capital e do interior do estado sobre as consequências do ciclone, que atingiu, também, Santa Catarina, na região do litoral catarinense, provocando quedas de árvores, destelhamento de casas e outros prédios, interrupção de energia elétrica e alagamentos. A previsão é que a chegada do ciclone na região sul do estado, incluindo Rio Grande, se confirme para a madrugada, por volta das 4h, diminuindo de intensidade após 6h."

A Marinha do Brasil, através da diretoria de Hidrografia e Navegação, também divulgou um comunicado sobre o ciclone. Confira:

"A Marinha do Brasil, por meio do Centro de Hidrografia da Marinha (CHM), participa que a formação de um intenso sistema frontal sobre o litoral sul do país poderá provocar ventos de direção Noroeste a Sudoeste, com intensidade de até 115 km/h (63 nós), na faixa litorânea entre os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Laguna, até a noite do dia 1º de julho.

Os ventos associados a esse sistema meteorológico poderão provocar agitação marítima com ondas, em alto-mar, de direção Oeste a Sul, entre 3,0 e 6,0 metros de altura, entre os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Florianópolis, até a manhã do dia 02 de julho. Posteriormente, as ondas passarão para direção Sudoeste a Sul, entre 3,0 e 4,0 metros de altura, até a manhã do dia 03 de julho. Haverá condições favoráveis à ocorrência de ressaca, com ondas de direção Sul a Sudeste, entre 3,0 e 4,0 metros de altura, na faixa litorânea entre os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Florianópolis, até a manhã do dia 02 de julho.

Mais ao norte, esse mesmo sistema meteorológico criará condições favoráveis a ventos de direção Noroeste a Sudoeste, com intensidade de até 88 km/h (47 nós), na faixa litorânea entre os estados de Santa Catarina, ao norte de Laguna, do Paraná, de São Paulo e do Rio de Janeiro, ao Sul de Arraial do Cabo, até a noite do dia 1º de julho. Esses ventos poderão provocar agitação marítima com ondas, em alto-mar, de direção Sudoeste a Sudeste, entre 3,0 e 4,5 metros de altura, entre os estados de Santa Catarina, ao norte de Florianópolis, e do Rio de Janeiro, ao sul de Arraial do Cabo, entre a manhã do dia 1º de julho e a noite do dia 02 de julho; e ondas, em alto mar, de direção Sudoeste a Sul, entre 3,0 e 4,0 metros de altura, entre os estados do Rio de Janeiro, ao norte de Arraial do Cabo, e da Bahia, ao sul de Caravelas, entre a noite do dia 1º de julho e a manhã do dia 03 de julho.

Haverá condições favoráveis à ocorrência de ressaca, com ondas de direção Sul a Sudeste, entre 2,5 e 3,5 metros de altura, na faixa litorânea entre os estados de Santa Catarina, ao norte de Florianópolis, e do Rio de Janeiro, ao sul de Arraial do Cabo, entre a manhã do dia 1º de julho e a noite do dia 02 de julho."

Imagem: Divulgação/Grupo Oceano

Voltar Topo